Confira aqui uma lista com as universidades brasileiras mais elogiadas internacionalmente.

Esse ano a Time Higher Education (THE), mais importante revista semanal com informações relativas ao ensino superior, sediada em Londres, divulgou uma lista com as melhores universidades da América latina.

Ao mesmo tempo, a plataforma Ranking Web of Universities também realizou uma pesquisa para saber quais as melhores universidades brasileiras analisando a sua inserção social, reconhecimento entre a população, engajamento ambiental e retorno científico, cultural, econômico e tecnológico para a sociedade.

Eis o resultado do cruzamento dessas avaliações:

USP

Fundada em 25 de janeiro de 1934, a Universidade de São Paulo é a líder há vários anos entre as instituições de ensino superior do Brasil. ”O lugar onde a cultura e a ciência se cruzam”, possui 35 unidades de pesquisa e extensão, um dos maiores espaços para práticas esportivas do mundo, além de 86.187 alunos inscritos.

UFRJ

Reconhecida como centro cultural, artístico e científico, a Universidade Federal do Rio de Janeiro já foi eleita em 2015 a melhor universidade do Brasil pelo World University Ranking. Esse ano completa 96 anos de fundação, com cerca de 156 cursos de graduação, 182 cursos stricto sensu e 326 lato sensu.

UNICAMP

Com 22 centros de pesquisa espalhados por 24 unidades, em outubro de 2016 a Universidade de Campinas completará 50 anos. Fundada em 5 de outubro de 1966, tem como uma da suas principais características ser uma instituição de ensino bastante jovem e que produz cerca de 15% de toda a pesquisa brasileira.

UFMG

A universidade brasileira que mais fez pedidos de patentes em 2010, foi fundada em 1927, não demorando a alcançar o status de uma das melhores universidades do Brasil.

A Universidade Federal de Minas Gerais possui 20 unidades que abrigam 50.000 alunos, além de vários museus e bibliotecas.

UNESP

A Universidade Estadual Paulista foi criada a partir da união de diversas universidades espalhadas pelo estado de São Paulo, caracterizando-se pelo incentivo à pesquisa ligada aos anseios da comunidade. Foi fundada em 1976 e hoje é uma das melhores instituições de ensino da América Latina, com 33 unidades, 1900 laboratórios e cerca de 3.500 professores.

PUC-RIO

Uma das melhores universidades do Brasil, possui o lema “ a ciência e a técnica a serviço da humanidade”. Fundada em 1941, com base nos ensinamentos cristãos, é considerada uma das primeiras instituições voltadas para o empreendedorismo no Brasil.

UERJ

A Universidade Estadual do Rio de Janeiro, fundada em 1950, foi a primeira a utilizar a política de cotas.

Possui 292 salas, 110 laboratórios, 12 bibliotecas, além do segundo maior teatro do Rio de Janeiro, o Teatro Odylo Costa Filho.

UFSC

Com 12 unidades, 80 cursos de graduação, além de mestrado e doutorado, a Universidade Federal de Santa Catarina já foi considerada uma das 5 melhores universidades da América Latina pelo Webometric Ranking World of Universities. Com ênfase em pesquisa, ensino e extensão, tem como destaque uma biblioteca com mais de 600. 000 títulos.

UFPE

Melhor instituição de ensino superior do norte-nordeste do Brasil, de acordo com o MEC, a Universidade Federal de Pernambuco destaca-se pela sua equipe de pesquisadores, que gira em torno de 4.000.

Além disso, possui 90 cursos de graduação, 198 de pós-graduação, 3.600 professores e um contingente de 2.200 alunos.

UNB

Uma das melhores universidades do Brasil, a Universidade de Brasília foi fundada em 21 de abril de 1962 e é bastante conhecida por ter um dos vestibulares mais disputados do país. Uma instituição de ensino com mais de 100 cursos focados em pesquisa, cultura e apoio à comunidade, além de 76 cursos de mestrado e 63 de doutorado.

UFG

Criada sob a filosofia de romper com os pressupostos tradicionais do ensino superior e aproximar-se de tudo o que estava acontecendo no mundo, a Universidade de Goiás, fundada em dezembro de 1960, também é considerada uma das melhores universidades do Brasil, com uma estrutura composta por 2038 professores que ministram 29 cursos de graduação e 33 de pós-graduação.

Vivaldo Pereira da Silva


Confira aqui algumas dicas que podem ajudar na hora de escolher uma faculdade.

Muitos jovens sofrem com a pressão, já no Ensino Médio, de escolherem uma carreira e as universidades que prestarão vestibular. A escolha não é fácil, afinal, como saber se a universidade ou faculdade é boa? Muitas pessoas acabam optando pelas mais barata ou que possuem algum tipo de programa de financiamento ou bolsas, mas serão essas de fato é a melhor opção?

Separamos algumas dicas que vão te ajudar a fazer a escolha certa.

É essencial que o vestibulando consulte as avaliações feitas pelo MEC (Ministério da Educação). Basta acessar o site do MEC e procurar pelas faculdades que pretende cursar e então é possível verificar o Índice Geral de Cursos (o IGC, que varia de 1 a 5), que avalia a instituição e ao escolher um curso especifico da faculdade é possível conferir o Conceito Preliminar do Curso, também com notas que variam de 1 a 5.

A partir desse passo, é possível eliminar algumas das opções e terem algumas como principais escolhas. É importante também visitar a instituição. Comece pelo site, conheça um pouco e veja se ela se encaixa nas suas expectativas, em seguida procure por uma visita monitorada. Avalie a estrutura do local, uma universidade de comunicação deve ter bons equipamentos de fotografia, gravação, além de bons estúdios. Já uma faculdade de engenharia deve ter bons laboratórios. Aproveite para tirar todas as suas dúvidas.

Conheça o corpo docente, é importante que a universidade tenha profissionais qualificados, mestres e doutores, isso também serve de critério para a avaliação do MEC.

Agora verifique o valor das mensalidades, um valor muito elevado por vezes se torna inviável, mensalidades muito baratas talvez indique uma baixa qualidade do curso. Pesquise e compare com as outras instituições. Verifique se há programas de bolsas e programas do governo como o Programa Universidade para Todos (Prouni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), além do Sistema de Seleção Unificada (SiSu), que ajuda a encaminhar o vestibulando para uma universidade pública.

Converse com alunos e ex-alunos, os grupos de redes sociais são ótimos para isso. Conheça suas opiniões sobre a instituição e suas colocações no mercado de trabalho.

O MEC também disponibiliza em seu site um ranking com as melhores universidades segundo as avaliações do IGC.

Por Tom Vitor de Freitas


USP, FGV, PUC-RJ e UFRJ estão entre as instituições com os melhores Cursos de Economia do Mundo.

Geralmente quando se fala em Cursos de Economia estes são liderados pelos cursos de instituições estadunidenses. Pelo menos sete dos 20 cursos mais bem avaliados pelo ranking da Quacquarelli Symonds, são cursos estadunidenses. O curso mais bem colocado é o do MIT, que se trata do maior instituto de tecnologia do mundo, localizado em Massachusetts.

Com relação ao Brasil, os únicos cursos que aparecem na lista são o da Universidade de São Paulo (USP). Este ficou na 51º posição. Em 100º posição, temos o Curso de Economia da Fundação Getúlio Vargas (a famosa FGV) e mais pra frente temos o Curso de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e o Curso da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Portanto, quatro cursos brasileiros aparecem na lista dos melhores cursos de economia do mundo, não entre os 50 primeiros, mas mesmo assim, aparecem.

Para a montagem do ranking, a Quacquarelli Symonds levou em consideração os seguintes critérios:

  • Entrevista: A QS entrevistou para este ranking 76 mil acadêmicos espalhados por todo o mundo e também mais de 44 mil técnicos e empregados de universidades de todo o globo.
  • Análise da Instituição: Foram avaliadas questões acerca da infraestrutura e a reputação acadêmica dos cursos. Número de publicações em revistas e periódicos conceituados; o valor que tais cursos obtêm no mercado de trabalho e os impactos teóricos e científicos que tais produções exercem, tanto na instituição como no mercado de trabalho.

Os cursos de economia são importantes meios para o desenvolvimento social, não só ao que se refere a produção de táticas e estratégias de circulação e investimento, mas também em criar diferentes soluções e abordagens as crises e problemas que o sistema financeiro pode vir a enfrentar.

Existe diversas oportunidades para os estudantes de Ciências Econômicas (ou Economia). Você pode conseguir um emprego na área financeira, comercial ou industrial. Pode conseguir um emprego em bancos, em grandes empresas multinacionais ou trabalhar como um agente financeiro. Grandes oportunidades é que não faltam e é claro que um curso em uma grande universidade fará toda a diferença.

Felipe Pancheri Colpani


Estados Unidos ganhou 34 posições das 50 da lista. Fundação Getúlio Vargas, do Brasil, ficou na 10ª posição do ranking.

O Linkedin, considerado a maior rede de profissionais do mundo, divulgou as 50 universidades e faculdades consideradas mais influentes no mundo.

A pesquisa foi feita com base nos dados contidos nas páginas dos usuários da rede social, como produção de conteúdo e o grau de interação entre as pessoas.

Na lista, a única instituição brasileira que mereceu tamanho destaque foi a Fundação Getúlio Vargas (FGV), conhecida também por realizar muitos concursos públicos no país, e ficou com o 10º lugar. Vale ressaltar que a FGV superou as conceituadas Harvard Business School, MIT e Insead.

Para concluir os resultados e finalizar a listagem, o Linkedin analisou as atualizações na rede feitas pelos usuários e os conteúdos, quantidades de artigos publicados, compartilhamentos realizados por funcionários, entre outros.

A Universidade Jack Welch Management Institute, localizada nos Estados Unidos, conquistou o primeiríssimo lugar, com um número de 15.704 seguidores no Linkedin. O segundo lugar foi ocupado pela Haas School of Business, também situada nos Estados Unidos. A Australian Institute of Business, universidade australiana, ficou com o terceiro lugar.

O número de seguidores na rede social não foi o responsável pela classificação, ao contrário, teve pouquíssima influência nos resultados.

Os Estados Unidos ganhou 34 posições das 50 da lista, obtendo o maior índice de faculdades e universidades de qualidade, de acordo com a pesquisa do Linkedin.  

Além dos países supracitados, também apareceram na classificação: Suíça, Espanha, Países Baixos, França, Canadá, Bélgica, Reino Unido e Argentina.

Abaixo segue o ranking completo:

1 – Jack Welch Management Institute (EUA)

2 – Haas School of Business (EUA)

3 – Australian Institute of Business (Austrália)

4 – Stanford University (EUA)

5 – Singularity University (EUA)

6 – eCornell (EUA)

7 – Robert Kennedy College (Suíça)

8 – Simplilearn (EUA)

9 – The Wharton School (EUA)

10 – Fundação Getúlio Vargas (Brasil)

11 – Pomona College (EUA)

12 – Arizona State University (EUA)

13 – New York University (EUA)

14 – Stanford Graduate School of Business (EUA)

15 – IE Business School (Espanha)

16 – Southern Vermont College (EUA)

17 – Harvard Business School (EUA)

18 – George Washington University (EUA)

19 – University of Phoenix (EUA)

20 – Syracuse Online Business (EUA)

21 – General Assembly (EUA)

22 – Ohio University Online (EUA)

23 – Duke University (EUA)

24 – University of Southern California (EUA)

25 – Massachussets Institute of Technology – MIT (EUA)

26 – Nyenrode Business Universiteit (Países Baixos)

27 – Harvard Law School (EUA)

28 – INSEAD (França)

29 – Vanderbilt University (EUA)

30 – Open Universiteit (Países Baixos)

31 – UC Berkeley (EUA)

32 – University of Michigan Ross School os Business (EUA)

33 – Babson College (EUA)

34 – University of Toronto (Canadá)

35 – NYU Stern School of Business (EUA)

36 – Vlerick Business School (Bélgica)

37 – Saïd Business School, University of Oxford (Reino Unido)

38 – UCSF (EUA)

39 – EnglishUp (Reino Unido)

40 – Columbia University Graduate School of Journalism (EUA)

41 – Harvard University (EUA)

42 – Counscious Business Center International BCB (Argentina)

43 – Columbia University in the City of New York (EUA)

44 – IMD Business School (Suíça)

45 – HEC Paris (França)

46 – Kellogg School of Management (EUA)

47 – EF Education First (Suíça)

48 – Copenhagen Business School(EUA)

49 – Imperial College London (Reino Unido)

50 – Excelsior College (EUA)

Por Bruna Rocha Rodrigues


USP foi considerada a melhor universidade brasileira em 2015. Estudantes que queiram ingressar nela podem optar por diversas opções.

A USP é considerada a melhor universidade brasileira num grupo em que as primeiras são públicas. Elas investem no tripé: Ensino, Pesquisa e Extensão para a conquista das atuais posições. Para ingressar na graduação da USP você pode fazer das seguintes maneiras: Transferência, Vestibular ou concorrer às vagas para graduados, segundo fontes do site oficial da Universidade de São Paulo (2015).

Quem já possui o diploma de nível superior fará uma prova diferenciada com menos conteúdo do que o vestibular anual. Essa é uma oportunidade para que o estudante possa mostrar as próprias habilidades especificamente naquelas matérias que possui melhor desempenho.

De acordo com o curso escolhido são selecionadas certas disciplinas para a entrada dos alunos.

A Transferência é outra opção de acesso aos cursos de graduação, sendo: Interna, Externa, Ex-ofício ou Entre Turnos. Nessa proposta, um aluno do curso de Engenharia de Alimentos do período noturno pode ser transferido para o mesmo curso no período diurno, por exemplo.

O vestibular da USP é feito uma vez ao ano pela FUVEST e engloba as seguintes disciplinas: Português, Matemática, História, Geografia, Biologia, Química e Física.

Os aprovados na primeira fase concorrerão às vagas fazendo os exercícios da segunda fase.

As melhores universidades do país seguem um calendário escolar próprio e concedem  bolsas em dinheiro para alguns estudantes de graduação. Os cursos possuem grade curricular e horária específicos.

O empenho dos estudantes que deixam suas casas para ingressar na universidade e realizar pesquisas deve ser considerado como fator importante para elevar o conceito de qualquer espaço do conhecimento, por isso as condições devem ser adequadas para o trabalho de estudantes, docentes e funcionários.

Os livros da biblioteca dessas instituições devem ser atualizados visando ao desenvolvimento do conhecimento.

Segundo a Folha de São Paulo (2015) as aulas em  língua inglesa também poderiam ser constantes num espaço que visa o contato com conhecimentos de diferentes nações. O que outras universidades do mundo produzem também deve ser conhecido pelos brasileiros e para entender um livro em outro idioma é importante ter espaço para o aprimoramento de outros idiomas. O poliglota ainda é uma raridade nesses espaços educacionais e ele abre espaço para compartilhar o saber de outros países.

A pesquisa e o ensino são necessários e ambos devem valorizar os conhecimentos criados no Brasil, mas também possibilitar a ampliação por meio do acesso a aulas de conversação, leitura e escrita de outra língua. O ideal é a formação de estudantes poliglotas capazes de buscar pesquisas e compreender fontes estrangeiras. Almoço grátis e a ampliação das moradias para os estudantes ainda são sonhos que precisam ser atingidos, visando à permanência deles nos bancos públicos.

Vários fatores interferem na qualidade das universidades como a falta de dinheiro dos estudantes para a permanência no Ensino Superior. 

Por Mary Berbela


Renda familiar máxima para a contratação do Fies é de 2,5 salários mínimos por cada integrante da família.

No dia 3 de julho foram publicadas no Diário Oficial da União as novas regras para o Fies. As mudanças são para os estudantes que vão aderir ao programa no segundo semestre de 2015.

Os cursos com notas 4 e 5 nas avaliações do MEC serão os que terão prioridade para a escolha dos estudantes. Além disso, a Secretaria de Educação pode acrescentar alguma outra regra adicional para a distribuição de vagas, caso haja necessidade.

A partir de agora também passa a valer outra mudança: a renda familiar máxima para a contratação do financiamento será de 2,5 salários mínimos por cada integrante da família.  Antes a renda total da família tinha que ser de até 20 salários mínimos.

Para se inscrever no processo seletivo, o estudante não pode ter concluído o curso superior e a partir do próximo semestre também tem que ter prestado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a partir do ano de 2010. O uso da nota do Enem para critérios de seleção do Fies estava em estudo pelo MEC. A nota mínima que o estudante tem que obter é de 450 pontos e não ter zerado a redação. As vagas do financiamento agora serão ocupadas por estudantes com maior desempenho no exame, prioritariamente.

Após o final das inscrições, será divulgada uma classificação dos estudantes interessados no financiamento em ordem decrescente, de acordo com as notas obtidas no Enem.  A classificação também levará em conta a área para qual o estudante se inscreveu.

Outra novidade é que as notas dos outros anos serão consideradas: o maior resultado obtido desde o ano de 2010 é o que valerá para a concorrência de vagas do Fies desse segundo semestre. Caso haja empate, o critério de desempate será a nota da redação, em seguida a nota na área de linguagens e códigos e depois a obtida na prova de matemática e ciências da natureza.

As instituições de ensino superior que estiverem interessadas em participar do processo seletivo para o financiamento do Fies devem assinar um termo de participação que estará disponível entre os dias 6 e 17 de julho. Neste termo constará o número de vagas que foi estabelecida na portaria publicada pelo MEC.

Por Patrícia Generoso


A USP ocupa o 1º lugar no ranking das melhores universidades da América Latina.

Na hora de conseguir o seu trabalho, a escolha de sua universidade pode parecer não ter tanto peso, mas a verdade é que cada vez mais empregadores levam em conta a universidade de formação do candidato na hora de selecionar um currículo ou mesmo de decidir entre um candidato e outro.

A Quacquarelli Symonds é uma conhecida empresa que elabora rankings sobre universidades de todo o mundo. Sua lista mais recente é a de melhores universidades da América Latina e dentre essa lista, algumas universidades brasileiras se destacam. Conheça as cinco  universidades mais respeitadas no Brasil atualmente:

1-     USP – Possui o 1° lugar no ranking das universidades da América Latina e tem nota 100 dos empregadores. É considerada a melhor universidade do Brasil atualmente.

2-     UNICAMP – Está em 2° lugar entre as universidades da América Latina e recebeu nota 99,7 dos empregadores.

3-     PUC-RJ – A universidade carioca está em 14° lugar dentre as universidades latinas e tem a nota de 87,6 dentre os empregadores. É a melhor universidade do estado do Rio de Janeiro.

4-     UFRJ – A Universidade Federal do Rio de Janeiro tem colocação de 5° lugar na América Latina e recebeu nota 86,8 dos empregadores.

5-     PUC-SP – Ocupa o 31° lugar no ranking latino e tem nota dos empregadores de 85,8.

Outras universidades, de outros estados, também foram apontadas na pesquisa, como a UNESP, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) dentre outras.

Ocupar uma vaga em uma faculdade bem respeitada pelos empregadores, pode ser o diferencial em sua carreira no futuro. Isso explica porque os cursos de preparação voltados a essas universidades estão sempre cheios e porque a procura de vagas para essas instituições só cresce no país. Os estudantes estão mais “antenados” com as exigências do mercado de trabalho e os empregadores por sua vez querem cada vez mais profissionais de excelência para seu corpo de funcionários.

Por Patrícia Generoso


Claro que quando surge o estalo para a profissão tão sonhada, pensamos nas possíveis faculdades que esperamos vivenciar a concretização de nossos desejos. Então você já tem ideia quais os melhores vestibulares? Onde ficam? Se com a nota no ENEM dá para entrar em uma dessas faculdades? Essa é a hora para que você tenha o devido conhecimento e vamos separar por região para o melhor entendimento, e claro observando qual o curso que você escolheu ou vai escolher e se essa faculdade se destaca te proporcionando o melhor ensino. Então, para começar, vamos falar onde elas se concentram.

Na Região sul destacam-se as seguintes faculdades: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Universidade Federal de Santa Maria; Universidade Federal de Pelotas; Fundação Universidade Federal do Rio Grande; Universidade Estadual do Rio Grande do Sul; Universidade Luterana do Brasil; Universidade de Caxias do Sul; Pontifícia Universidade; Católica do Rio Grande do Sul; Universidade do Vale do Rio dos Sinos; Universidade de Passo Fundo.

Nas Regiões sudeste e centro-oeste: Universidade de São Paulo; Universidade Estadual de Campinas; Universidade Presbiteriana Mackenzie; Universidade Estadual de Montes Claros; Universidade Estadual Paulista; Universidade Federal do Rio de Janeiro; Universidade Federal de Viçosa; Universidade Federal de Alfenas; Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais; Universidade Federal do Espírito Santo Universidade de Brasília; Universidade Federal de Goiás; Universidade Federal de Mato Grosso; Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Nas Regiões norte e nordeste: Universidade Federal do Amazonas; Universidade Federal do Pará; Universidade Federal da Bahia, Universidade; Universidade Bahiana de Medicina; Universidade Salvador; Universidade Estadual da Bahia; Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Universidade do Vale do São Francisco; Universidade Estadual do Ceará; Universidade Federal de Pernambuco; Universidade Estadual de Pernambuco; Centro Universitário Tiradentes; Universidade Regional do Cariri.

Essas faculdades se destacam pelo ensino prestado. Agora, com calma e paciência, é só analisar o seu curso, e ler sobre a faculdade de sua escolha.

Boa sorte!

Por Luciana Viturino


Hoje no Brasil não existe um jovem que na época do vestibular não pense em prestar uma Universidade Pública, é o maior sonho de alguns deles, que estudam horas diárias, fazem cursinho e aulas particulares tudo para passar na tão sonhada Universidade Pública. A maioria destes estudou a vida inteira em colégios particulares, fez cursinho antes de prestar o vestibular e na hora do Ensino Superior, escolhe o ensino público, que fornece os melhores diplomas, dando passagem para ingressar nas melhores carreiras profissionais. 

No entanto, essa obsessão pela Universidade Pública pelos jovens tem me despertado certo interesse e certa perplexidade, existem jovens que mal cogitam a possibilidade de estudar em alguma Universidade que não seja Pública, eles não pensam na possibilidade de trabalhar durante o dia, estudar no período noturno e contribuir pra o giro do capital comercial em nossa sociedade. Mesmo tendo condições para efetuar tais façanhas, preferem ingressar em uma Universidade Pública de ensino integral, a qual a impossibilitará de trabalhar e este ficará ali vivendo sobre custas dos familiares e estudando às custas do Estado, por Estado leia-se dinheiro que sai do nosso bolso.

Enquanto isso, as pessoas mais pobres, que não tiveram acesso a uma educação de base de qualidade, tal como a de um colégio particular, muito menos tiveram a oportunidade de frequentar um cursinho, sendo assim, resta para esta pessoa a medíocre Universidade Particular, que não lhe dá passaporte direto para uma carreira perfeita, essas pessoas mais pobres geralmente se matam de trabalhar para conseguir bancar a mensalidade da universidade, e mesmo assim conseguem muitas vezes subir na vida e construir uma carreira em grandes empresas nacionais e multinacionais. Isso tudo por conta de seu esforço.

Portanto, você que está desesperado e está há três anos no cursinho particular estudando para entrar em uma Universidade Pública, pense um pouco antes de fazer isso, pense que você já poderia estar no terceiro ano de uma faculdade privada, e poderia estar trabalhando na área adquirindo muito mais conhecimento que uma pessoa que só estudou em cursinho e entrou na Universidade Pública agora. Corra atrás do seu futuro, expanda sua mente, as Universidades particulares proporcionam ótimas oportunidades de ensino, basta um pouco de esforço e interesse.

Por Matheus Noronha Sturari


O Ministério da Educação (MEC) informou que a partir de 2014 novas universidades irão aderir o ENEM como forma de ingresso. As instituições demonstraram interesse em aderi-lo totalmente (como único processo seletivo), ou parcialmente (o candidato faria exames e vestibulares além do ENEM para ingressar na instituição).

Duas universidades estaduais (Universidade do Estado de Santa Catarina – Udesc e Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UniOeste, a primeira reservando 25% das vagas do primeiro semestre para o Sisu e, a segunda reservando 50%), e mais de dez federais (Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD e Universidade Federal do Amapá – Unifap, com 50% das vagas pelo Sisu, Universidade Federal do Pará – UFPA usará o sistema para 20% das vagas e as demais serão preenchidas apenas pelo ENEM) utilizarão o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) para o ingresso do candidato na faculdade.

Em 2012 foras 4,1 milhões de alunos que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e, a metade desses alunos se inscreveu no Sisu.  

O estudante também pode concorrer a bolsas de estudos em universidades particulares com base em seus critérios de renda, como o Programa Universidade Para Todos (ProUni).

São vários os programas que utilizam o ENEM, saiba como participar deles:

– ProUni: Deve-se fazer a inscrição, que ocorre duas vezes por ano, sendo que a seleção leva em conta a renda do candidato. Para bolsa integral o estudante deve ter renda de no máximo um salário mínimo e meio, por pessoa da casa. Para a bolsa parcial, deve ter renda de até três salários mínimos. O programa seleciona vagas para universidades particulares;

– Fies: Há o financiamento de 100% da mensalidade com 3,4% de juros, sendo necessário ter feito o ENEM, porém, sem exigência de nota mínima para o financiamento;

– Sisu: O candidato deve fazer a inscrição que ocorre duas vezes por ano. O programa seleciona os candidatos para vagas em universidades públicas;

– Ciência sem Fronteiras: Concorre-se a bolsa para uma faculdade estrangeira. O estudante deve ter obtido 600 pontos ou mais no ENEM;

– Sisutec: São vagas gratuitas para cursos técnicos em instituições privadas e públicas de ensino superior. A inscrição é virtual e com base na nota obtida no ENEM, que precisa ser superior a zero. 

Por Luiz Guilherme Feliciano Palazzo


No dia 31 de dezembro de 2013 o Ministério da Educação liberou através do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) a lista de vagas e instituições que estarão participando do processo seletivo 2014.1. As inscrições estarão disponíveis a partir do dia 6 de janeiro e serão feita através da internet.

No total, 115 instituições de educação e faculdades oferecerão vagas ao interessados participantes do ENEM 2013. O Estado de Minas Gerais é o que mais possui instituições ligadas ao Sisu (18), seguido de 15 no Rio de Janeiro, e 9 no Rio Grande do Sul.

O pré-requisito é que o candidato tenha participado do Exame Nacional do Ensino Médio sem ter obtido nota zero. São escolhidas no máximo duas opções de vagas em ordem preferencial.

As inscrições estarão abertas entre 6 e 10 de janeiro. A lista de aprovados deverá ser divulgada em seguida, no dia 13, e as matrículas devem acontecer já entre 17 e 21 de janeiro. No dia 27 deve ser divulgada a segunda chamada para candidatos da lista de espera que devem fazer suas matrículas entre 31 de janeiro e 4 de fevereiro.

O calendário apertado deve-se principalmente devido à adaptação das instituições escolares ao calendário da copa do mundo, a ser realizada em junho. A maioria das universidades tem início de aulas previsto entre os dias 20 e 27 de janeiro.

Apesar da rede de instituições federais ter aumentado no país, a procura por vagas continua crescendo em ritmo acelerado. Em 2008, a média de disputa por vaga nas federais era de 8 candidatos, menos da metade do registrado em 2012, chegando a marca de 17,3 candidatos por vaga.

Por Manoel da Costa Jr


O Ministério da Educação (MEC) notificou 30 universidades brasileiras pela acusação de terem manipulado o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE), realizado com acadêmicos do ensino superior de instituições de ensino públicas e privadas.

O motivo da medida tomada pelo MEC foram discrepâncias que apareceram relacionando o número de estudantes matriculados e do total de inscritos no Exame.

No entanto, o Ministério não informou quais universidades foram abrangidas pela notificação. De qualquer forma, todas elas teriam selecionado os estudantes com as melhores notas (portanto, aqueles que teriam mais condições de obter notas altas do ENADE) para fazer a prova. O objetivo do MEC é que a seleção seja feita de forma randômica, sem o benefício de algum estudante ou universidade.

Agora, as instituições de ensino superior deverão se manifestar num prazo de 10 dias. Se os representantes do MEC entenderem que as justificativas são insuficientes, uma auditoria poderá ser feita como maneira de entender melhor a situação.

A medida foi tomada depois de uma denúncia realizada no começo de março contra a Universidade Paulista (Unip). A universidade já enviou os documentos de defesa ao MEC.

Por Matheus Camargo


As próximas gerações de estudantes das regiões mais distantes dos estabelecimentos de ensino superior e tecnológico da Bahia terão um futuro promissor. É que a presidente Dilma Rousseff anunciará oficialmente esta semana a expansão da rede de ensino superior e tecnológica no Estado da Bahia. Na prática, o anúncio representará o início dos trabalhos que irão viabilizar a construção de mais duas Universidades Federais e nove Institutos Federais de Ensino Tecnológico Profissionalizante no Estado.

Isto significa também que os processos seletivos para acesso ao ensino superior (vestibulares) e para o ensino médio profissionalizante serão consideravelmente alavancados.

As duas universidades a serem criadas serão federais. A primeira (a Universidade Federal do Sul da Bahia) terá campi nas cidades de Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas; a segunda (a Universidade Federal do Oeste da Bahia) terá, por sua vez, campi nas cidades de Barra, Barreiras, Bom Jesus da Lapa e Luís Eduardo Magalhães. Somadas a essas instituições, já podemos contar hoje com a da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), que teve um campus inaugurado este mês, na cidade de Senhor do Bonfim. Já os Institutos Federais de Tecnologia (IFETs) serão construídos nas regiões de Xique-Xique, Serrinha, Itaberaba, Alagoinhas, Santo Antônio de Jesus, Brumado, Lauro de Freitas, Juazeiro e Euclides da Cunha.

O próximo passo, a partir de agora, compete ao MEC, que deverá iniciar os estudos orçamentários e a pesquisa de demanda de cursos que serão instalados em cada unidade. Para o Deputado Daniel Almeida, os cursos serão oferecidos de acordo com as “necessidades de cada região”.

Por Alberto Vicente Silva

Fontes: Correio 24horasSecom – Governo da Bahia


Ainda não conseguiu aquela vaga tão desejada no curso de seus sonhos para o começo deste ano? Tudo bem, 2011 ainda não acabou e há tempo para você tentar o ingresso em universidades públicas e particulares de qualidade. Muitas instituições de ensino superior costumam abrir vagas em vários cursos superiores para o segundo semestre de cada ano. Com isso, há a possibilidade do curso que você deseja ser ofertado novamente na mesma ou em outra instituição. Confira abaixo a lista de algumas das principais instituições públicas e particulares que abrirão inscrições para os seus vestibulares referentes ao segundo semestre de 2011.

UFSJ (Universidade Federal de São João del Rei)

Informações e inscrições: www.ufsj.edu.br/vestibular/

Unesp (Universidade Estadual Paulista)

Informações e inscrições: http://www.vunesp.com.br

UFG (Universidade Federal de Goiás)

Informações e inscrições: www.vestibular.ufg.br/

FUMEC (Fundação Mineira de Educação e Cultura)

Informações e inscrições: http://www.fumec.br/ingressar/vestibular.php

FGV (Fundação Getúlio Vargas)

Informações e inscrições: http://www.fgv.br/vestibular/

UFPR (Universidade Federal do Paraná, Campus Litoral)

Informações e inscrições: http://www.nc.ufpr.br/

Fatec (Faculdade de Tecnologia)

Informações e inscrições: http://www.vestibularfatec.com.br/

UEM (Universidade Estadual de Maringá)

Informações e inscrições: http://www.cvu.uem.br/

Por Gabrielle Caroccia





CONTINUE NAVEGANDO: