Para algumas profissões está cada vez mais difícil encontrar profissionais qualificados

O Brasil ainda enfrenta uma grave crise no que se refere à escassez de mão de obra qualificada. Isso acontece porque ainda há certo estigma no que se refere aos cursos profissionalizantes, afinal, ainda há muitos jovens que preferem graduações do que cursos técnicos, justamente por acharem que não há lugar no mercado de trabalho.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Fundação Dom Cabral, de São Paulo, no ano passado, a cada dez empresas brasileiras, nove enfrentam dificuldades para preencherem o quadro pessoal. Dessa forma, falta cerca de 83% de profissionais qualificados e 58% com formação básica.

Dessa forma, os profissionais mais difíceis de encontrar no mercado de trabalho hoje são técnicos e operários.

Abaixo, listamos as dez carreiras com maior escassez no mercado:

Operários – Os profissionais dessa área ganham, em média, até R$ 1,5 mil. Há escassez desta profissão, pois, a possibilidade de estudar e ganhar melhor salário fez com que as pessoas buscassem melhores oportunidades. Isso faz com que cada vez menos pessoas se interessem pelo trabalho braçal.

Técnicos – Quase não existem mais técnicos nas áreas de elétrica, automação e edificação. Isso porque, hoje, os jovens preferem diplomas a certificados de cursos técnicos. Os salários para técnicos variam de R$ 2 mil a R$ 5 mil.

Motoristas – O que acontece com operários e técnicos, também acontece com motoristas. A busca por uma remuneração melhor acaba defasando este mercado, que cada vez exige mais capacitação, como, por exemplo, para dirigir veículos com novas tecnologias. Salário: R$ 2 mil.

Secretárias – O cargo de secretária também é algo em extinção no mercado de trabalho. Quase não há profissionais capacitados, que tenham fluência em inglês, por exemplo. E, quando há, eles preferem ir em busca de oportunidades melhores. Secretárias podem ganhar até R$ 2,5 mil.

Profissionais de Recursos Humanos – Profissionais desta área são essenciais nas empresas, pois são eles que buscam novos talentos. Assim, com a reestruturação das empresas, hoje, há uma maior demanda por estes profissionais. Os salários variam de R$ 6 a R$ 10 mil.

Profissionais de TI – O mercado da tecnologia da informação está em constante crescimento. Dessa forma, a quantidade de profissionais graduados nesta área acaba não atendendo a demanda. Ainda, há falta de interesse por parte dos brasileiros na área das ciências exatas, ou seja, os estudantes não querem se dedicar a áreas que envolvam matemática e física. Os profissionais da Tecnologia da Informação podem ganhar até R$ 5 mil.

Contadores e Profissionais de Finanças – Falta especialização por parte dos profissionais da área da economia e ciências contábeis. Salário: R$ 2,5 mil a R$ 5 mil.

Profissionais de Meio Ambiente – Com as empresas medindo custos financeiros em relação ao impacto das suas ações ao meio ambiente, há necessidade de profissionais desta área no mercado de trabalho. No entanto, há baixa oferta de cursos. Salário: R$ 7 mil a R$ 15 mil.

Engenheiros – Comparado a países como Estados Unidos, Índia e China, o Brasil forma, anualmente, apenas 44 mil Engenheiros, independente da habilitação. Assim, há forte procura por Engenheiros Civis, Elétricos, de Produção e de Segurança. Engenheiros podem ganhar até R$ 20 mil.

10º Profissionais da Saúde – Profissionais desta área podem ganhar até R$ 20 mil. No entanto, há escassez em médicos especialistas.

Por Andréa Corneli Ortis


O Jornalismo está em todos os lugares, em cada citação que lemos, em cada notícia na televisão, em cada conversa na rua. É comum sairmos para passear e notarmos pessoas comentando sobre algum assunto de relevância nacional, e isso é possível graças à missão do Jornalismo que é buscar informações, escrever e publicar as notícias.

O Jornalista é o profissional que vai atrás de notícias de diversos assuntos e transmite essas notícias através dos meios de comunicação que podem ser jornais, televisão, revistas, rádio e internet.

A missão do Jornalista também é manter o público sempre antenado e informado em tudo o que acontece na cidade, estado, país e no mundo. Dentro da área jornalística há muitas funções que podem ser exercidas como repórter, que entrevistam personalidades; editores, que avaliam reportagens para verificar a qualidade dos textos; redatores, que revisam todo o texto; assessores de imprensa que providenciam contatos com os meios de comunicação para divulgar ações ou atividades de seus clientes.

Se você tem algum interesse em ingressar na área jornalística, é importante ressaltar alguns adjetivos que um profissional jornalista necessita ter, é preciso ter uma capacidade de transmitir as notícias de forma objetiva e clara e conhecer bastante a língua portuguesa, ter capacidades de comunicação, improviso, síntese, criatividade, curiosidade, desembaraço, investigação, iniciativa, objetividade. Se você tem todas essas qualidades, ou pelo menos a maioria delas, já é um bom indicativo que você pode ser um Jornalista.

Não é necessário obter um curso superior para atuar na área do Jornalismo, mas é possível encontrar alguns cursos de Comunicação Social que podem ser bastante efetivos no entendimento de técnicas e métodos de jornalismo.

O Jornalista pode atuar em áreas e assuntos específicos, como economia, esportes, história. O mercado de jornalismo é muito competitivo, mas sempre amplo com diversas áreas de atuações. É importante estar em constante aprendizado e aperfeiçoamento para se assegurar e crescer no mercado de trabalho.

Por Paulo Victor Bragança


O Internacionalista tem a tarefa de mediar negociações entre empresas, entidades internacionais, governamentais e necessita de conhecimentos sólidos em sociologia, economia, história e antropologia.

O mercado de trabalho para esse profissional se aqueceu após as transformações promovidas pela mundialização do capital e principalmente a Globalização, quando as empresas brasileiras passaram a ter mais contato ao mundo exterior e não mais presas às negociações nacionais.

O maior campo de trabalho para os Internacionalistas são as empresas privadas que têm constantemente buscado a assessoria de profissionais para a solução de problemas comerciais muitas vezes ligadas à diplomacia coorporativa para acordos em compatibilização de acordos para a economia sustentável.

Existem empresas que desejam alçar voos mais altos e se lançar no mercado exterior e esse profissional tem o papel de assessorar todo esse processo de mediação com a empresa no Brasil e seus parceiros no exterior. É fundamental que o profissional de Relações Exteriores tenha domínio do inglês, por isso é imprescindível que o graduando da área invista em cursos de idiomas para ser mais bem aproveitado pelo mercado de trabalho e conquistar uma boa oportunidade de emprego.

O profissional de Relações Exteriores muitas vezes tem envolvimento em questões bastante internacionais como política e economia por isso ter interesse nessas matérias podem ser um indicador que essa possa ser a sua área.

Atualmente o mercado de trabalho para profissionais dessa área está em crescimento, mas ainda é pequeno se compararmos às outras áreas.

Ter uma personalidade comunicativa de interlocução e mediação, ter facilidade para aprender outros idiomas e gostar de viajar são predisposições que podem mostrar um pouco do perfil desses profissionais que são responsáveis por todas as interlocuções nacionais de uma empresa. Tem a missão de ser o representante e o porta-voz de uma empresa para o mundo.

Procure se informar na grade curricular das universidades sobre as matérias do curso, e seja um profissional empenhado em ser diferente no mercado de trabalho.





CONTINUE NAVEGANDO: