Uma pesquisa feita por cientistas revelou que a habilidade em matemática e leitura favorece em boa medida os mesmos genes. Diante disso, ressaltou a importância do meio para desenvolver esses conhecimentos. Para chegar ao resultado o Colégio de Cientistas de Londres fez um cálculo de adolescentes de 12 anos com 2.800 famílias britânicas.

Os testes revelaram que a combinação dos resultados indicou que há uma sobreposição significativa dos genes que determinam a habilidade para a leitura e para os números. Isso mostra que metade deles que tem influência e habilidade de leitura quando criança também tem a mesma capacidade para os cálculos. Com isso, a melhor forma para desenvolver a aptidão encontra-se nas estratégias escolares utilizadas pelos professores, bem como na educação familiar.

Alguns especialistas informam que essas crianças tornam-se diferenciadas devido à facilidade que possuem para aprender frente ao que é encontrado com outras crianças de mesma idade. Todavia, ao descobrir isso os pais e a escola precisam de um esforço maior para compreender o aluno, pois isso pode ter origem genética e algo tem de ser feito para acompanhá-lo.

O estudo, porém, não consegue identificar genes específicos que determinem essas habilidades. No entanto, revela que um conjunto de genes ou diferenças genéticas, contribuem de certa forma para moldar a pessoa. Assim, quando uma criança nasce com aptidão para leitura e cálculos, é muito importante que os pais valorizem esse aspecto e deem livros e cadernos com pequenos testes para desenvolver e aprimorar ainda mais o conhecimento, uma vez que nos dias de hoje não é fácil encontrarmos crianças que as possuem e, em alguns casos, é necessário que haja um estímulo em casa a fim de não ter dificuldades na escola. Por isso, o quanto antes a criança começar a ter contato com livros e brincadeiras educativas melhor para o rendimento escolar. Ressalte-se que, o uso das tecnologias quando mais tardio para a criança ter contato melhor, pois desenvolverá mais habilidades.

Por Luciana Viturino


Você vai prestar vestibular e não sabe quais livros de literatura deve ler? Seus problemas acabaram. Conheça, de acordo com uma lista feita pela FUVESP, quais são os romances que mais caem nas provas vestibular!

Lista de leituras obrigatórias:

1 – Memória de um Sargento de milícias: essa obra foi escrita pelo autor Manuel Antonio de Almeida. O livro fala das camadas sociais mais pobre do país e revoluciona a forma de fazer literatura no Brasil por conta de sua linguagem popular. A obra foi publicada em 1854, sendo um dos principais marcos do movimento do Romantismo.

2 – Vidas secas: Escrito pelo alagoano Graciliano Ramos, Vidas Secas é um dos livros mais lindos e importantes da cultura nacional. Trata-se da história de uma família nordestina que tenta sobreviver ao imapcto da seca. Sempre presente em vestibulares e testes, esse livro virouum clássico literário,além de habitar no imaginário de todosos que não consequem esquecer da cadela Baleia.

3 – Memórias Póstumas de Brás Cubas: Esse romance escrito pelo grande Machado de Assis é figura certa e carimabada em diversos exames. Todo vestibulando precisa ler essa história que, de forma genial,é narrada pelo próprio morto. É uma obra que marca o começo do Realismo no Brasil.

4 – Macunaíma: clássico do escritor Mário de Andrande, pesquisas mostram que Macunaíma já caiu seis vezes no vestibular.  É uma obra modernista onde conhecemos o verdadeiro herói brasileiro.

5 – Iracema: principal livro do escritor cearense José de Alencar, Iracema conta a história da índia virgem dos lábios de mel que se apaixona pelo português Martin. Esse romance também figura muito nos vestibulares nacionais.

Por Madson Lima de Oliveira


Já pensou em largar na frente dos concorrentes em busca da tão sonhada vaga nos vestibulares federais e estaduais? A disputa está cada vez mais acirrada e para garantir uma vaga, não basta apenas estudar a matéria constante no edital.

Além da fase de preparação com o levantamento e resolução de provas anteriores também é preciso dominar técnicas de leitura e compreensão do texto. Neste sentido, convém destacar que poucos são os candidatos que conseguem responder uma prova, dedicando a merecida atenção a todas as questões.

Alguns priorizam esta ou aquela matéria em detrimento de outra. Há aqueles que lançam a sorte no “chute” e nem sempre obtêm êxito com esta prática. No final das contas, o candidato desanima com a demora na aprovação adiando a realização de um sonho em razão de um simples hábito que pode ser incorporado no dia a dia: o hábito da leitura.

E não basta ler de qualquer jeito. A falta de concentração dá margem a distrações e diminui a velocidade na leitura. O ideal é ler com os “olhos”, na velocidade do pensamento, evitando assim um subaproveitamento do seu tempo.

Por Ana Carolina Maciel





CONTINUE NAVEGANDO: