Saiba aqui um pouco mais sobre sobre o Curso de Direito.

Todos os dias milhares de processos são julgados e criados onde muitos magistrados tem que dar a devida atenção e interpretar diversas leis para determinar uma sentença.

O Curso de Direito no Brasil é um dos mais concorridos e muitos jovens baseiam esta carreira em filmes e seriados de TV. Por conta disso, muitas ideias são criadas e alguns mitos também.

A profissão da área do Direito é uma das 10 mais requisitadas, segundo o Sisu. Está na terceira posição do ranking no Brasil com muitos inscritos buscando uma vaga.

Neste artigo vamos falar sobre o que é importante sobre esta profissão que é tão concorrida e todos os dias mais pessoas buscam e se interessam por ela.

Estágio: Quando começar?

Muitos jovens ficam ansiosos quando começam suas aulas na universidade na busca por um estágio. Porém, professores de Direito alertam para focar nos primeiros períodos dentro da universidade.

Em alguns casos o estágio junto com os estudos acabam comprometendo o aluno em seu desenvolvimento dentro do curso. Durante um período dos estudos, o importante é esperar o momento certo para entrar no mercado de estágio.

A recomendação é que os estudantes iniciem suas buscas a partir do 4º ano. A partir do sétimo periodo, o estudante já possui as habilidades necessárias para adentrar neste mercado tão concorrido.

Segundo os professores de Direito, ao iniciar no mercado antes do tempo, as tarefas que serão realizadas serão apenas de cunho burocrático, ou seja, não haverá o exercício real do Direito.

Decorar ou Interpretar?

Muito se fala que as leis tem que ser decoradas, isto é um mito. A habilidade de memorização não é exigência e sim o domínio da interpretação das leis de forma adequada.

Visto que, uma vez que o graduando entender o que foi exposto, poderá adequar as leis cabíveis para cada situação e argumentá-las.

Áreas e Sub-áreas

O Direito possui as áreas Civil, Penal e Trabalhista. No entanto, pode haver algumas subdivisões, por exemplo, no ramo do esporte é preciso ter um profissional para cuidar do departamento jurídico para cuidar de contratos e direitos de imagem de atletas, entre muitas outras que devem ser pesquisadas.

Teoria e Leitura

Para quem quer se especializar nesta área pode se preparar para uma carga pesada de teoria e muita leitura. Conforme orienta os professores das universidades, são diversas apresentações que exigem do aluno habilidades de oratória, fluência escrita e uma clareza na linguagem.

Tudo isso é uma exigência para melhorar o desempenho e preparar realmente para o mercado de Direito. Saber expressar de forma objetiva e concisa é o que afirmam os professores que preparam diversos alunos todos os anos.

Se você realmente gosta e se interessa por esta área é bom se preparar, pois as exigências são bem rígidas, inclusive os exames que habilitam o exercício de advogado, que é o exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Marcio Ferraz


O curso de Direito é, sem dúvida alguma, um dos mais promissores em termos de opções de trabalho. É extenso o campo de atuação deste profissional, que pode, além de advogar, escolher uma carreira jurídica ou ainda, lecionar. Dependendo da escolha feita pelo Bacharel em Direito, este terá que, primeiramente, ser aprovado no exame da OAB, para somente após o credenciamento, estar apto para a atuação, como é o caso do advogado.

O advogado é o profissional que atua na solução e mediação de conflitos entre particulares, empresas, instituições, aplicando a legislação atinente a cada situação, objetivando sempre a prevalência da Justiça. São inúmeras as áreas para atuação deste profissional: cível, penal, ambiental, tributário, enfim, cada vez mais surgem novas subdivisões das especializações, sendo que algumas delas estão cada vez mais em alta, como é o caso da advocacia previdenciária e da ambiental.  

Para quem pretende seguir uma Carreira Jurídica, o grande alvo são os concursos públicos, que garantem excelentes salários e estabilidade, como é o caso dos Promotores, Procuradores, Defensores Públicos, Magistrados, entre outros. 

Independente do rumo que o bacharel pretende dar para a sua carreira, é importante saber que o estudo é questão de ordem para estes profissionais, já que a legislação e jurisprudência são atualizadas a cada dia.

Também merece ser destacada a grande concorrência nesta área. A cada dia se formam mais profissionais e para se destacar entre tantos é necessário fazer a diferença. Já a grande vantagem é a contraprestação financeira, que pode ser bastante elevada e ainda, a possibilidade de flexibilidade de horários, especialmente no caso de o profissional optar pela advocacia.

Por Leni do Vale


Este ano apenas 12% dos 116.000 bacharéis em Direto inscritos na prova da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) conseguiram aprovação no exame. Até então o menor índice de aprovação era de 14% entre 95.700 inscritos no ano passado.

Entre as 20 primeiras instituições colocadas no exame, apenas uma instituição privada (vigésima colocada) apareceu no ranking, a Faculdade Baiana de Direito e Gestão. As Universidades Públicas apresentaram melhor desempenho.

O resultado do exame fez com que o Presidente da OAB, Ophir Cavalcanti, pedisse ao MEC – Ministério da Educação – que fizesse uma vistoria nos cursos de Direito nas Instituições de Ensino Superior que não apresentaram nenhum aprovado no exame, no total foram 90 Instituições que não aprovaram nenhum bacharel.

Se as instituições não apresentarem melhoras na colocação dos seus candidatos nas provas posteriores estarão sujeitas à penalidades que vão de redução de vagas no curso até encerramento das atividades e fechamento do mesmo.

No dia 05 de julho a Ordem dos Advogados do Brasil divulgou a lista das Instituições que não aprovaram nenhum aluno no exame.

Por Anna C.


O crescimento da oferta de vagas no ensino superior privado tem seus inconvenientes: muitos cursos não deveriam estar em atividade. É o caso das instituições que oferecem cursos de direito com baixa qualidade, e que todo o ano despejam na sociedade profissionais despreparados para enfrentar as reais demandas do mercado.

Pensando nisso, o Ministério da Educação fez uma avaliação desses cursos e decidiu que serão suspensas aproximadamente 11 mil vagas em 136 cursos espalhados pelo Brasil. Para realizar esse corte, o MEC avaliou o desempenho dos alunos no Enade, a titulação e a carga horária dos professores e a infraestrutura organizacional das instituições e constatou que todas as instituições que mereceram a suspensão são privadas.

Tais estabelecimentos tiveram um rendimento tão pífio no Conceito Preliminar de Curso (CPC) que tenderão a desaparecer de vez, caso não tomem as devidas providências. Embora muitas outras faculdades continuem pleiteando a abertura de “novos” cursos de direito, o MEC assegura que o número de vagas encerradas tem sido bem maior do que o de vagas chanceladas pelo órgão e que, para barrar cada vez mais esse crescimento sem qualidade, o próximo passo será limitar um quantitativo máximo de vagas por cada curso aberto em até 100.

Por Alberto Vicente





CONTINUE NAVEGANDO: