Saiba como identificar as melhores opções para você e fazer a escolha certa na hora de decidir o seu futuro profissional.

O momento de decidir qual área seguir ou qual faculdade cursar é sempre crítico. Isso porque é uma decisão muitíssimo importante, que promete acompanhar nossos passos para o resto da vida, ditando-os.

É comum sentir-se inseguro na hora de fazer essa decisão, até porque o momento social em que somos pressionados a tomá-la é justamente a fase pós adolescência, quando ainda estamos começando a entrar na vida adulta, sem estar estabelecido em nenhuma direção concreta ainda.

Pensando nisso, preparamos uma lista de dicas para que você se sinta mais confiante ao analisar as opções de curso e carreira.

1 – Informe-se

Se você está na dúvida, faça pesquisa acerca das áreas possíveis. Quanto mais conhecimento você tiver, menos superficial será a sua visão a respeito de alguma profissão, te dando melhor esclarecimento para julgar se aquilo é ou não o que você quer para si.

2 – Converse com profissionais das áreas pretendidas

Profissionais que já estão no mercado têm total noção do que tem acontecido em sua área de atuação. Eles poderão te dar informações sobre tudo que for referente à execução da função, além de noções de mercado de trabalho. Você poderá conhecer a rotina da profissão e do setor e também se familiarizar com os possíveis problemas do ambiente corporativo.

3 – Faça testes vocacionais e cursos de orientação

Procure ajuda a fim de ser analisado por um profissional que pode traçar seu perfil, através de métodos comprovados, indicando e analisando quais carreiras tem mais a ver com sua personalidade e habilidades.

4 – Realismo

Muitos jovens têm sonhos fora da realidade. Não que não seja bom sonhar, é ótimo ter grandes aspirações, mas é necessário ter pé no chão para traçar metas em tempo hábil para que você alcance seus objetivos. Conhecer uma determinada carreira implica em conhecer também o processo de chegada até determinado cargo. Preparo é a palavra chave. Você precisa ter em mente que nada vai acontecer caso você não esteja pronto para assumir as responsabilidades, encarando desafios e se superando.

Por Carolina B.


Problemas fazem Testes Vocacionais servirem apenas para excluir determinadas carreiras.

Discutir vocação quando o acesso à profissionalização não é democrático é algo quase inútil. Sem cairmos no clichê do "sonho" de carreira, sejamos objetivos: Há regiões ainda no país em que a universidade mais próxima está à mais de 100km. Há predominância de determinados cursos em outras localidades, que nem sempre atendem à vocação dos que ali vivem. Há o abismo financeiro, entre o que o jovem quer fazer, o que ele está apto a fazer e o que ele poderá de fato pagar. E mesmo trazendo à tona as universidades públicas, sabemos que as despesas de um estudante não são poucas, muitos não podem trabalhar devido ao período integral de estudos, mas continuam tendo que morar, comer e utilizar transporte. Ou seja, a meritocracia não funciona muito bem em nosso país.

A vocação também não tem sido o apelo mais forte, pois muitas vezes é preciso ajustar a vocação ao recurso financeiro. Não é difícil conhecer alguém que teria sido um ótimo médico, mas provavelmente resignou-se a alguma profissionalização mais barata, financiável, à altura do poder econômico familiar.

Então poderíamos afirmar que o teste vocacional não possui real serventia em todos os casos. Talvez ele seja útil na função de excludente: "Você não deve seguir a profissão de professor se não gosta de falar em público!". Mas não terá a função determinante, nem haverá garantia de sucesso. Além disso, temos que considerar que um jovem de 17 anos, que ainda nem foi exposto ao mercado de trabalho, não teve ainda a chance de conhecer todas as competências e habilidade exigidas profissionalmente, ou seja, ele vai escolher "no escuro" o que irá fazer pelos próximos 40 anos. Claro que há chance de mudar, talvez por isso o índice de evasão universitária esteja passando dos 20% desde 2008, segundo o Instituto Lobo. Associado a este fenômeno temos ainda a postura familiar, que mudou muito nas últimas décadas. Os jovens são "poupados" pela família com o argumento de que devem se dedicar totalmente aos estudos e sendo poupados estão perdendo a chance de se envolver no mercado de trabalho e vivenciar experiências profissionais que poderiam nortear suas ambições profissionais.

Não é difícil encontrar jovens quase formados que jamais trabalharam, não fazem ideia do que seja subordinação, equipe, meta, pressão, prazo.

Estamos caminhando para o caos profissional. O que temos visto é uma porção de empresários, empregadores e líderes se queixando da postura dos novos profissionais, da lista de exigências dos recém-formados, da total alienação vista nesses jovens que foram tão poupados. Problemas que vão desde a impontualidade até o despreparo para a função exercida, mas quando se avalia o perfil acadêmico, vemos uma ficha irretocável. O que prova que estamos formando ótimos estudantes, com ego inflado e pouco preparo para o mundo corporativo real. E isso não se restringe a área nenhuma, estão nos hospitais, nos colégios, nas empresas públicas e privadas.

Assim sendo, o teste vocacional esbarra em diversos obstáculos antes de se tornar uma ciência efetiva!

Gracieli Borges Ferreira


O nível superior busca o fortalecimento do futuro profissional em sua determinada área em termos de desenvolvimento científico e criação cultural.

Vestibular é um exame, um processo de seletivo usado pelas universidades para a seleção de novos estudantes. Esse exame tem a intenção de analisar o aprendizado do candidato referente ao ensino fundamental e médio. É utilizado tanto pelas instituições publicas quanto as privadas em todo o Brasil. As provas variam de instituição para instituição. E são aplicados por comissões criadas para esse fim. A correção da prova é impessoal, e garante o anonimato do candidato.

O exame vestibular favorece a meritocracia, proporciona acesso igualitário às universidades, principalmente as publicas, e ás particulares através de bolsas e projetos governamentais. Todas as pessoas do país, de qualquer lugar e origem, têm direito de prestar o vestibular, uma vez que é proibido todo e qualquer tipo de discriminação.

A educação é de suma importância na vida do individuo, ela favorece a socialização, atrai fonte de enriquecimento espiritual e material. Muda o intelecto enriquecido pelo convício humano, e pelos valores que ele passa adquirir. A formação é primordial para o aproveitamento das possibilidades no campo profissional.

Os principais objetivos do ensino superior no Brasil, direcionado à formação profissional é fortalecer a criação cultural e o desenvolvimento científico, tecnológico e reflexivo, além de formar conhecimento, e ainda, incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, com intenção de desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive. Ou seja, pessoas com ensino superior compreendem melhor os fenômenos que cercam o mundo.·.

Hoje o mundo vem se transformando cada vez mais, e a necessidade de um curso superior é cada vez mais exigida. As empresas apreciam cada vez mais os profissionais com diploma. Há uma relação direta entre colocação no mercado de trabalho e aprimoramento acadêmico. Quanto maior for à dedicação do individuo, mais oportunidades profissionais ele terá. E acredita-se que as pessoas qualificadas produzem mais e melhor.

A formação continuada do individuo é importantíssima para que sejam aproveitadas as oportunidades profissionais que surgirão. Mesmo já estando no mercado de trabalho, não se deve parar de buscar novos conhecimentos, pois é isso que vai proporcionar o alcance de novos cargos e promoções. Aliando conhecimento, competência e dedicação é a receita certa pra gerar uma carreira solida.

O ensino superior, e a continuidade na especialização vão garantir: Atualização profissional; Aumento da empregabilidade; Aumento salarial; Ampliação dos contatos profissionais. O investimento na formação superior é muito importante. As possibilidades profissionais serão melhores para quem estiver preparado por uma boa formação educacional.

Texto de Dany Bueno


A pressão dentro de casa influencia na escolha de qual curso prestar no vestibular.

O ano de um vestibulando pode ser um período cansativo e cheio de escolhas. E é na hora da escolha de curso que a opinião dos pais pode acabar tendo um grande peso. Essa opinião, no entanto, pode acabar se tornando pressão, o que desmotiva o estudante.

Na hora de decidir qual curso prestar, alguns pais querem que seus filhos sigam o mesmo caminho que eles, até mesmo que estudem na mesma instituição. Por outro lado, há também pais que querem que o vestibulando faça um curso que eles não tiveram a oportunidade de fazer.

De uma forma ou de outra, essa pressão exercida dentro de casa irá confundir o estudante, além de desmotivá-lo. Pois, se o curso escolhido pelos pais não for o ideal, são grandes as chances de que o futuro graduando não goste de sua grade curricular e esteja no curso por pura obrigação.

A consequência mais imediata será um maior nervosismo na hora da prova, uma vez que a pressão dentro de casa era tanta o estudante sentirá que deve passar no vestibular a qualquer custo, o que definitivamente o deixa mais nervoso no teste.

No entanto, como o estudante deve seguir atendendo as expectativas dos pais? O ideal é questionar a si mesmo sobre suas próprias escolhas e continuar no caminho que as atende. Ao escolher um curso inicia-se um novo ciclo na vida, o qual deve respeitar as vontades do próprio estudante, que terá que viver com sua escolha.

Analise se o que seus pais sugerem é o que você realmente quer. Caso seja, prepare-se para o vestibular e procure evitar a pressão e o sentimento de que deve passar imediatamente. A prova deve ser feita com calma e estudos frequentes. Caso a sugestão dos pais não tenha absolutamente nenhuma relação com suas próprias escolhas, siga o caminho que considerar correto para si mesmo. Não deixe de se preparar adequadamente para o vestibular com estudos constantes.

Por fim, se a ao entrar no curso perceber que não fez uma boa escolha, ou imaginou que a experiência seria diferente, há a possibilidade de buscar uma transferência de curso ou até mesmo instituição até encontrar seu próprio caminho. 

Por Isabela Palazzo


A principal atribuição do Farmacêutico é efetuar o estudo dos medicamentos, substâncias químicas e vacinas além de fazer a análise dos mesmos em relação a organismos vivos.

Informações gerais:

O profissional formado no curso de Farmácia se torna um profissional habilitado como Farmacêutico. O curso de farmácia tem uma duração média de quatro anos e pertence à área de Biológicas. Atualmente o farmacêutico recebe em média R$ 2.000,00 como salário.

Sobre a profissão:

O Farmacêutico devidamente habilitado tem como principais atribuições os pontos citados anteriormente como também pode atuar em parceria com o químico no desenvolvimento de novos medicamentos e cosméticos. Esse profissional também pode atuar na análise de formas mais eficientes em relação aos métodos de produção, poderá realizar análises toxicológicas, clínicas, biológicas, físico-químicas bem como testes de laboratório.

No que toca a atuação desse profissional no mercado de trabalho podemos afirmar que ele possui algumas opções diretas para desempenhar sua função. Por exemplo, o farmacêutico pode atuar diretamente na produção e no comércio de medicamentos o que é válido tanto para grandes indústrias do setor quanto em Instituições de Pesquisas. Sendo assim há uma gama de possibilidades de trabalho.

Em Drogarias ele pode trabalhar como farmacêutico responsável. O mesmo também pode acontecer em Clínicas e Hospitais. Já em instituições de pesquisa públicas ou privadas ele poderá desenvolver medicamentos e outros tipos de substâncias que possam ser úteis para a sociedade.

Um dos principais pontos positivos dessa profissão, aqui, no Brasil, é o fato de que qualquer medicamento ou cosmético que venha a ser produzido por qualquer laboratório que seja, obrigatoriamente, precisa ter por trás um farmacêutico responsável. No caso das farmácias e drogarias também há a necessidade obrigatória desse profissional uma vez que no quadro de funcionários é preciso que se tenha o profissional que possui certo grau de conhecimento que é capaz de sanar as dúvidas dos clientes.

É interessante observar também que muitos dos profissionais que se formam nessa área colocam em prática sua parte empreendedora. Ou seja, acabam abrindo suas próprias farmácias.

Como ponto negativo dessa profissão podemos destacar o aspecto que mais chama a atenção: a carreira de farmácia tem uma competitividade muito alta. Para se ter ideia o curso de Farmácia está entre aqueles que mais formam profissionais no Brasil anualmente.

Por Denisson Soares


Já imaginou ser um profissional que trabalha com agricultura e estuda a cultura dos campos? Então o curso de Agronomia é para você, pois é isso o que um profissional graduado do ramo faz. Eles são conhecidos muitas vezes como Agrônomos ou Engenheiros Agrônomos. Saiba que eles entendem muito de campo e dos alimentos de origem vegetal e animal, visando assim, o menor custo de produção, aliados a qualidade e produtividade. Além disso, ele sabe muito bem como conservar o meio ambiente.

Todavia, você deve estar se perguntando qual é o curso específico para você que quer se tornar um agrônomo e como se destacar no mercado. Para isso eu digo que você tem que fazer o curso de Agronomia e posteriormente, adquirir o registro no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA). Além disso, o domínio do inglês e da informática são grandes diferenciais no ramo. E não para por aí. Você precisa manter-se muito bem informado nas novas tecnologias, as quais avançam muito rapidamente e ser capaz de se adaptar a novas situações, ser comunicativo, ser proativo e bom para a tomada de decisões, ser capaz de resolver problemas práticos, criativo, curioso, ter facilidade em cálculos, interessado em construir coisas e estudar seu modo de funcionamento, gostar muito de ler, pesquisas e estudar e acima de tudo, você precisa ter em mente que estará constantemente ao ar livre e em contato com a natureza.

As principais atividades de um agrônomo vão desde o plantio até a distribuição de determinada mercadoria. Por isso, você irá planejar, auxiliar e executar os serviços ligados ao plantio e à colheita. No entanto, você também pode escolher outras áreas para atuar, como Defesa Sanitária, Engenharia Rural, Fitotécnica, Agribusiness, Agroecologia, Zootecnia, entre outros. Os ramos de especialização também são diversos, como Agrotecnia, Topografia, Melhoramento Animal e Vegetal, Recursos Naturais e Ecologia, Reflorestamento, Entomologia, Fitotecnia, Silvicultura, Economia Agrícola, entre outros. 

Por Luciana Viturino


Você já pensou em se tornar um Advogado, trabalhar em fóruns, escritórios, realizar audiências? Então, fique atento, pois neste artigo vamos dar dicas a você que quer cursar Direito e se tornar um profissional da área.

A primeira coisa que você precisa ter para se tornar um advogado além do curso é ser aprovado no Exame de Ordem e adquirir a carteirinha da OAB. Mas, você pode estar na dúvida e se perguntar: o que faz realmente um advogado? Bom, um advogado atua na defesa dos interesses do cliente. Por isso, ele estuda várias leis e pode atuar em diversos ramos, como trabalhista, tributário, cível, penal, empresarial, entre outros. Além disso, ele também pode escolher se quer trabalhar em um escritório ou em uma empresa, se vai seguir carreira pública ou privada. Se escolher o ramo público há várias outras profissões como Juiz, Promotor, Defensor, Procurador, Delegado de Polícia, entre outras.

Tudo bem, até aqui você já entendeu, mas qual a principal característica de um profissional da área para que ele seja um destaque no ramo? A principal característica é gostar de ler, pois as pessoas que fazem o curso não irão trabalhar com química, física, biologia, como era visto no ensino médio. Portanto, ele terá que ler muito, mas muito mesmo, pois existem várias leis e ele precisa estar antenado com todas elas. Mas não é só isso, ele também tem que ter uma boa capacidade de argumentação e habilidade em negociação, bem como boa memória, dominar o português e ser muito comunicativo. Tudo isso é fundamental. O gosto pela pesquisa, investigação e pelos estudos farão parte do resto da vida de um advogado.

Há também diversas ocasiões em que ele terá de saber debater. Cabe lembrar que debater não é discutir e sim usar os argumentos válidos a seu favor. O mercado de trabalho no ramo é bastante promissor e garante ótimas vagas para excelentes profissionais.

Por Luciana Viturino





CONTINUE NAVEGANDO: