Sistema de Correção e Pontuação do Enem



  

Saiba aqui como funciona o sistema de correção e pontuação do Enem.

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) possui um sistema bastante peculiar para avaliação dos candidatos. A prova é dividida em quatro áreas do conhecimento e mais uma prova de redação. No entanto, você está enganado se pensa que cada uma dessas áreas vale a mesma quantidade de pontos. Acompanhe esse artigo para entender como o MEC dá sua nota no ENEM.

A única prova que conta com um peso fixo é a de redação. A avaliação dissertativa sempre estará entre a nota 0 e 1000. Mas isso não ocorre com as outras provas. O ENEM baseia-se no conceito de dar mais pontos para quem vai bem nas áreas difíceis e menos pontos para quem vai bem nas áreas fáceis. E como é determinado quais são as provas difíceis e quais são as provas fáceis?

Em síntese, as provas difíceis são aquelas em que houver um menor número de candidatos que acertarem as questões, já as fáceis são as que um maior número de candidatos acerta as questões. Assim, a área que envolve o conteúdo lógico/matemático (Matemática e suas Tecnologias) costuma valer de 0 a 940 pontos, enquanto que a prova de Linguagem, Códigos e suas Tecnologias costuma variar entre 0 e 840 pontos.





Além da variação no peso de cada área do conhecimento, o MEC ainda complica um pouco mais a vida do estudante para entender sua nota. Não somente as áreas possuem pesos variáveis, mas também, as questões de modo individual. Todavia, engana-se novamente quem pensa que são pesos tradicionais. São, na realidade, um algoritmo que define pesos variados para cada questão de acordo com os acertos de cada indivíduo. Traduzindo, é impossível você saber qual será sua nota no ENEM só com o número de questões acertadas.

O algoritmo de correção do MEC é denominado TRI. Esse algoritmo encadeia questões com conteúdo similares, assim, caso o estudante acerte a questão difícil e erre a fácil, o sistema de correção considerará que ele chutou e, consequentemente, não validará o acerto da questão difícil.

Fica complicado para os meros estudantes entender os motivos pelos quais o MEC coloca tanta complexidade no método de avaliação do ENEM. Parece-nos, às vezes, que essa tamanha complexidade é para camuflar possíveis erros e ou evitar críticas. Será? A certeza que fica é que os estudantes não têm como conferir de modo objetivo a relação entre acertos e pontuação.

Matheus Griebeler



Compartilhar:

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *