Melhores Cursos de Medicina no Brasil e no Mundo

Melhores Cursos de Medicina no Brasil e no Mundo



  

Universidade de Harvard lidera lista dos Melhores Cursos de Medicina no Mundo. Já a USP é a instituição brasileira mais bem colocada no ranking.

Ao optar por escolher o curso de Medicina, o estudante tem que enfrentar vários obstáculos no caminho. O primeiro é a entrada em uma universidade. Tido como um dos cursos mais concorridos e difíceis, a Medicina é um sonho de muitos jovens espalhados pelo mundo. Mas, outro ponto de interrogação que passa pelas mentes dos estudantes é: Qual Curso de Medicina optar?

Cada curso tem as suas características, alguns pregam mais pela teoria e outros já pela prática. A empresa britânica QS (Quacquarelli Symonds), especializada em educação, divulgou em abril deste ano um ranking com os melhores cursos de Medicina no mundo. Nessa lista aparece à graduação na Universidade de Harvard, uma instituição privada localizada na cidade de Cambridge, no estado de Massachusetts, nos Estados Unidos. Com um critério de seleção alto e com nomes de pesos que se formaram na universidade, como o Presidente Norte-Americano Barack Obama, Havard é sinônimo de muito prestígio para quem consegue cursar algum curso.

Além de Havard, os Estados Unidos também possui mais seis cursos na lista divulgada pela QS. O Brasil também está presente na lista. As mais bem avaliadas foram a USP (Universidade de São Paulo, classificada entre a 51ª e a 100ª posições), a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo, localizada entre o 151º e o 200º lugares) e a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas, na faixa entre a 201ª e a 250º posições).





A USP é tida como a melhor faculdade da América Latina em 2015. Recentemente a instituição promoveu mudanças em sua grade curricular. Com foco na internacionalização, o foco é fazer convênios com instituições estrangeiras para receber e mandar alunos, aplicar mais testes nos estudantes com especialistas americanos e diminuir a carga horária de seus alunos em 30%, para que o estudante tenha mais flexibilidade e com isso possa aprender além da sala de aula, explorando o mundo externo.

Para a montagem desse ranking, a Quacquarelli Symonds levou em consideração muitos aspectos como a imagem da faculdade e o impacto causado na sociedade das produções científicas em determinadas áreas. Ela também levou em consideração a opinião de mais de 76 pessoas envolvidas com essas faculdades e mais de 44 mil contratantes de todo o mundo.

Por Isabela Castro



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *