Confira as carreiras com maior escassez de profissionais



  

Para algumas profissões está cada vez mais difícil encontrar profissionais qualificados

O Brasil ainda enfrenta uma grave crise no que se refere à escassez de mão de obra qualificada. Isso acontece porque ainda há certo estigma no que se refere aos cursos profissionalizantes, afinal, ainda há muitos jovens que preferem graduações do que cursos técnicos, justamente por acharem que não há lugar no mercado de trabalho.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Fundação Dom Cabral, de São Paulo, no ano passado, a cada dez empresas brasileiras, nove enfrentam dificuldades para preencherem o quadro pessoal. Dessa forma, falta cerca de 83% de profissionais qualificados e 58% com formação básica.

Dessa forma, os profissionais mais difíceis de encontrar no mercado de trabalho hoje são técnicos e operários.

Abaixo, listamos as dez carreiras com maior escassez no mercado:

Operários – Os profissionais dessa área ganham, em média, até R$ 1,5 mil. Há escassez desta profissão, pois, a possibilidade de estudar e ganhar melhor salário fez com que as pessoas buscassem melhores oportunidades. Isso faz com que cada vez menos pessoas se interessem pelo trabalho braçal.

Técnicos – Quase não existem mais técnicos nas áreas de elétrica, automação e edificação. Isso porque, hoje, os jovens preferem diplomas a certificados de cursos técnicos. Os salários para técnicos variam de R$ 2 mil a R$ 5 mil.

Motoristas – O que acontece com operários e técnicos, também acontece com motoristas. A busca por uma remuneração melhor acaba defasando este mercado, que cada vez exige mais capacitação, como, por exemplo, para dirigir veículos com novas tecnologias. Salário: R$ 2 mil.

Secretárias – O cargo de secretária também é algo em extinção no mercado de trabalho. Quase não há profissionais capacitados, que tenham fluência em inglês, por exemplo. E, quando há, eles preferem ir em busca de oportunidades melhores. Secretárias podem ganhar até R$ 2,5 mil.





Profissionais de Recursos Humanos – Profissionais desta área são essenciais nas empresas, pois são eles que buscam novos talentos. Assim, com a reestruturação das empresas, hoje, há uma maior demanda por estes profissionais. Os salários variam de R$ 6 a R$ 10 mil.

Profissionais de TI – O mercado da tecnologia da informação está em constante crescimento. Dessa forma, a quantidade de profissionais graduados nesta área acaba não atendendo a demanda. Ainda, há falta de interesse por parte dos brasileiros na área das ciências exatas, ou seja, os estudantes não querem se dedicar a áreas que envolvam matemática e física. Os profissionais da Tecnologia da Informação podem ganhar até R$ 5 mil.

Contadores e Profissionais de Finanças – Falta especialização por parte dos profissionais da área da economia e ciências contábeis. Salário: R$ 2,5 mil a R$ 5 mil.

Profissionais de Meio Ambiente – Com as empresas medindo custos financeiros em relação ao impacto das suas ações ao meio ambiente, há necessidade de profissionais desta área no mercado de trabalho. No entanto, há baixa oferta de cursos. Salário: R$ 7 mil a R$ 15 mil.

Engenheiros – Comparado a países como Estados Unidos, Índia e China, o Brasil forma, anualmente, apenas 44 mil Engenheiros, independente da habilitação. Assim, há forte procura por Engenheiros Civis, Elétricos, de Produção e de Segurança. Engenheiros podem ganhar até R$ 20 mil.

10º Profissionais da Saúde – Profissionais desta área podem ganhar até R$ 20 mil. No entanto, há escassez em médicos especialistas.

Por Andréa Corneli Ortis



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *