MEC estabeleceu novas regras ao ProUni e ao Fies



  

É imprescindível que todos os indivíduos que realizam processos seletivos, e através deles disputam por vagas dentre tantas opções de cursos existentes, estejam atentos as novas regras que o MEC estabeleceu ao programa ProUni (Universidade para Todos) e ao Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) neste ano de 2014.

Referente ao Fies, o contrato estabelecido passa a ser associado ao Fgeduc (Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo), o que anteriormente se encontrava como tópico opcional, neste ano se tornou elemento indispensável.

Concernente ao ProUni, a isenção fiscal está direcionada respectivamente às vagas preenchidas. Em relação ao ano passado, tal isenção estava determinada por vagas ofertadas, e não as quais já tinham sido disputadas e ocupadas pelos diversos concorrentes que designam diferentes estados brasileiros.

O Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo foi originado no ano de 2009, ou seja, um programa recente, porém eficaz, que está atuando associadamente ao Fies a partir deste ano. Atua com o objetivo de cobrir a partir de 80% dos contratos não cumpridos, e para que esse processo seja efetivado com êxito, a mantenedora recompensa uma porcentagem de 5,63 de acordo com o total do financiamento mensal, ou 6,25% da parcela das intervenções de financiamento.





A entrada do Fgeduc possibilitou aos estudantes ser dispensável a obrigação de fiador, onde a finalização do contrato oferece maior praticidade para ser concretizada. O processo ativou benefícios grandemente direcionados aos acadêmicos. Ao que se refere às instituições, foi contemplada integrando maiores custos, porém, ainda sim considerados programas aproveitáveis.

Uma grande parte das instituições propagadas pelo Brasil, já realizaram a adesão intensificada do programa. O diretor de Gestão de Fundos e Benefícios do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), afirma com plena convicção de que o intuito do programa é propiciar acesso estudantil de nível superior a todas as classes, principalmente ao universitário que se encontra imerso a baixa renda. Além, de exporem grande dificuldade em se conseguir alguém que o esteja representando como fiador.

Atualmente as propagações se encontram da seguinte maneira: 17% dos alunos que estão inseridos nas redes privadas de ensino precisam essencialmente do Fies, sendo que é concebido pelo fundo aproximadamente 25% da receita das organizações. Em relação ao ProUni, a indicação sugere economia, ou seja, 10% dos gastos das instituições. Resumindo, o processo especificado deve haver uma diminuição de 2% a 3% dessa economia, mencionando a contagem de vagas não ocupadas.

Por Lorena de Oliveira



Compartilhar:

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *