Atualidades – Informações sobre o Bóson de Higgs



  

Devido ao recorrente acontecimento nos vestibulares atuais, de serem cobrados conteúdos que vão além da teoria, é relevante que os vestibulandos se atentem a assuntos como o tratado abaixo.

No dia 04 de julho deste ano novos rumos foram dados à ciência moderna. Esse avanço foi permitido devido à confirmação da existência de uma partícula que possivelmente pode ser o Bóson de Higgs, dando sentido ao estudo de milhares de cientistas que doam suas vidas para tentar explicar e entender como o maquinário fundamental do universo se comporta e funciona.

O Modelo Padrão, atualmente, é a melhor explicação do mundo subatômico, ou seja, no mundo de nível inferior ao átomo. O Modelo Padrão permite ferramentas teóricas para o desenvolvimento de tecnologias. A cura do câncer, por exemplo, é submetida, em última análise, ao bom funcionamento de um modelo que descreve o comportamento da natureza no mais fundamental dos níveis.

O Bóson de Higgs é uma partícula proposta há, aproximadamente, 50 anos, e mesmo depois de tanto tempo, os físicos não possuem nenhuma evidência da existência dela. O Higgs é imprescindível, pois a existência dele provaria a teoria de um campo invisível que permeia o universo. Sem este campo invisível, nada poderia existir. Os cientistas não estimavam detectar o campo, e sim apenas uma deformação do mesmo, chamada Bóson de Higgs.





O Modelo Padrão foi desenvolvido inicialmente em 1960. Quatro anos após, Higgs supôs a existência de um campo, e com ele as partículas interagiriam. Essa proposta de interação confere massa às partículas. As partículas que não interagem com o campo, não possuem massa, e viajarão sempre na velocidade da luz, sendo assim não existirá qualquer forma de vida.

A confirmação da existência do Bóson de Higgs é o mais relevante resultado dos últimos 30 anos no campo de Física de Partículas, entretanto o Modelo Padrão é a melhor explicação sobre o mundo subatômico e corresponde apenas a 4% do universo visível, há ainda 96% para se desvendar.

Por Marina Lara



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *